sábado, novembro 09, 2019

Avalanche


AVALANCHE





"Well I stepped into an avalanche,
it covered up my soul!"
Leonard Cohen



21-09-2019

For the first time we had a view to the whole line, it was perfect. From the base to the summit, 1800m. Snow ramps, gullies, a crest leading to the summit, it all looked in perfect conditions.
As we walked the last hundreds of meters on the glacier, I took photographs of every little detail of the route, of that absolute beautiful and logical line that would take us to the highest little dot of Balakun (6471m).
The upper slopes could remind a white silk sheet, soft, pristine, untouched. The few seracs above looked calm and quite… asleep, almost unthreatening.
The mountain looked perfect, the line was just there, waiting for us, maybe for days, maybe for ages.
We were confident, calm, with that kind of feeling that one rarely has before climbing a mountain. No stress, no uncertainties, no doubts.
I was sure the universe was conspiring in our favor. I was sure that in 3 days we would be standing in the top of that stunning mountain.


Daniela at 5800m, during our acclimatization.



Reaching 5500m during acclimatization.



22-09-2019

The familiar sound of the alarm clock took us out of our sleep at 00:30. As predicted by the weather reports we were getting from our friend Vitor Baía, we could hear the sound of light snow tapping in the single layer of our tiny bivy.
Since visibility was poor we decided to wait a couple of hours more. Deep and warm in our sleeping bags, we fell asleep again for a while longer.
Around 4:00 a.m. the silence announced the predicted weather change, the light snowfall had stopped, the sky was clear, visibility was perfect.
We crawled out of our sleeping bags, and with the water pan half prepared from the day before, we cooked our traditional Indian mountain breakfast: Maggy, a couple of chapattis with Portuguese cheese and salami, and a handful of dry fruits.
Around 6:30 we started our journey up the mountain, first crossing an easy snow ramp, followed by a loose scree slope that placed us on what we considered the real beginning of the route.
By that time, around 7:30, a continuous mantle of clouds traveled the sky, turning the morning deep blue into shadow grey.
There were voices in my head, they kept me climbing with a strange sense of calm.



Getting ready!



I was happy that the sun was not shining inclement on us. There was no wind, and the temperature was perfect.
I was strangely sure that we would have reasonable weather until 12:00 p.m., and by that time, we would find a place to set our bivy around the altitude we planned to reach that day.
As we crossed the first snow ramp, I recognized it was all perfect. Our crampons moved comfortably biting a layer of hard snow, sometimes gentle ice covered by only a few centimeters of fresh snow, just the right conditions to move fast.



We were fast. Little snow falling, but everything is good.



We crossed the large corridor that followed, staying close to the rock slopes on our right, and then the second snow ramp that lead to a narrow “bottleneck”. The “bottleneck” was the only access to an enormous circus. 700m separated us from that circus, covered by a gentle immaculate mantle of pure snow.



Crossing the "bottleneck".



On the right side, a rocky spur could be a place to bivy. Although about 300m above there were some seracs hanging, it still looked like a safe place to spend the night.
On the left side, some islands of rock, small spurs, were inviting us to set our bivy. Quite comfortable for that particular situation, although about 100 m below the altitude we estimated to climb that day.
Somehow as expected, at 12:00 p.m. it started to snow, lightly. The air was still, there was no wind.
Since at the left small spurs we found a quite acceptable place to pitch our bivy, we decided to call it a day, happy with our progress. We were at 5300m.
After 700m of climbing we would reach a col the next day, just in the right position to launch a summit attempt one day later.
Everything was going as planned.
Again, according to the weather report we had for that day, around 3 p.m. the light snowfall stopped.
We felt a cozy warm temperature rising inside the single layer tiny tent. It meant the sun was penetrating the layer of clouds. Slowly, the sky became blue again. We came out to take those perfect photos only these days allow. The mountain was quiet and inviting. I never felt so sure we would have a successful and peaceful climb.
It was time to take advantage of the warm tent and our sleeping bags, using the hours left to relax our muscles.



Cleaning the spot for the night. Weather was not perfect but still we were optimistic...



Suddenly a roar captured our attention. We unzipped the door of our “room for the night” and saw an avalanche coming down from the untouched slope under the seracs. It slide down close to the place where we intended to set our bivy some hours before and it converged with fury to the “bottleneck”.
“Ok, one avalanche!”
Just a minute after, the scenario repeated, this time more violently.
The perfect mountain, the quiet, calm climb, abruptly became an enormous mistake.
From three hanging valleys on the left side of the snow circus, more avalanches poured down, this time making us reflect if our bivy spot was really safe. Should we move it even more down on the rocky spur?
Balakun invitation was nothing but a sudden trap!
All our thoughts were stuck in the “bottleneck”. Not only our thoughts, but also an enormous volume of debris, huge blocks of ice and rock. It was unreal to be there, testifying that enormous power of nature. We lost count of how many avalanches came down from the upper slope. Those events took about one and a half hour, continuously. “Sometime it will have to stop!” I remember saying this on what it seamed to be a never-ending hour.
The priority then became getting down the mountain, although we knew we had to be patient and wait for the right time, the coldest hours of the day… meaning, deep night.
Finally, the moment came when it all became silent again, a threatening silence.
We cooked a meal and took shelter on our sleeping-bags. I could hear Paulo breathing anxiously, exactly the same as I was.
Time just stopped, the hours, minutes, seconds gained another dimension… eternity.
9 p.m., it was dark. The fake silence was shattered by another roaring sound, another avalanche.
The waiting game was not over, the mountain was still awake, and so were we.



Our intended route on Balakun (6471m). The red circle marks our bivouac site. The first arrow marks the bottleneck. The upper double red arrows marks the course of the avalanches. Not marked on the photo... our fear!



23-09-2019

At around half past midnight we sat down, heated some water and prepared a well-planned energetic breakfast, but on that specific moment it was hard to swallow – a shake of protein, some chapatti with cheese and salami, and a handful of dry fruits.
We prepared our bodies to go down as fast as we could. Our hearts would never be prepared, we could only do our best to control our minds.
At 3 a.m., after 6 hours of a threatening silence, we roped and started our journey down, as fast as every muscle of our bodies would allow us, concentrating in every step, every movement of our crampons, of our ice-axes.
Soon, the light of our headtorches illuminated the huge fresh debris stuck in the “bottleneck”.
We downclimbed the “bottleneck”, not losing a second, crossing it as fast as we could, with our hearts in our throats. We moved to the left side until reach a safe spot under an overhanging wall. The mountain… the world, kept silent in those moments.
We stopped, relieved. The most dangerous part of the way down was now a part of our recent past. The relieve made us feel physically sick, with nausea, from anxiety!
We took some minutes to breath, drink some tea, eat some dry fruits, and kept descending, now not so nervous, but still with our concentration in the highest levels.
It took us only 3 hours to get to the base of the mountain and take off from our shoulders not only the weight of the backpack, but mostly the weight of the fear.



Base camp... paradise...



24-09-2019

I now look at the photos we took after the avalanche, and understand the geology of what happened.
I also understand that, when we downclimbed, the slopes up there were still unstable. Only the cold of the deep night prevented the avalanches to continue for a couple of hours (or else, we were just lucky!). For sure the same scenario repeated the next day, as the sun warmed the mountain again.
Now, at base camp, I feel a strange mix of sadness and luck.
Sadness because, once more, I didn’t reach the summit. Sadness because this time I was feeling so sure, so confident, and could not even suspect of the threat waiting for us up there.
Lucky to be writing these words in this beautiful base camp.





My heart is now silent, but the avalanche… covered up my soul...



Daniela Teixeira
SuryaKund base camp
4500m




Footnote: This was our second expedition in Sathophant valley. The first, was in 2010, when we accomplished the second ascent of Ekdant (6100m) by a new route, and the first ascent of Kartik (5115m). This time, we found the mountains extremely dry and dangerous, with rocks falling everywhere. High temperatures also influenced the remaining snow, as on our attempt on Balakun, triggering the unsuspected snow avalanches we witnessed, ultimately causing our failure. 
Just by curiosity, here is two photos showing the contrast between 2010 and 2019.


Chaukamba on the left, Balakun on the right.


Chaukamba (7138m)





quarta-feira, janeiro 02, 2019

Serrinha winter report


SERRINHA WINTER REPORT 
PASSADO (recente) e FUTURO (imediato)





Agora que o inverno está aí à porta e a neve e o gelo se avizinham (com sorte - porque hoje em dia já nada é seguro!), aqui fica a reportagem das novas vias de escalada mista e de gelo inauguradas na temporada anterior, na Serra da Estrela, no período entre Janeiro e Abril de 2018.
São raros os Invernos em que a “nossa Serrinha” não oferece condições para algumas novas linhas. O Inverno de 2018 não fugiu à regra e, entre Janeiro e Abril foram inauguradas 15 vias, a maioria de escalada mista e algumas de escalada em gelo.
Este compilado não representa todas as novas aberturas invernais desde a edição do guia “Serra da Estrela, Montanhismo e Escalada Invernal” (Outubro de 2015). Esse trabalho de actualização fica reservado para uma futura reedição. Até lá, deixamos a seguinte lista que pode servir como um complemento ao livro, bem como oferecer informação útil a possíveis alpinistas que a queiram aproveitar para viver uma boa aventura no Inverno que se avizinha.
As vias serão apresentadas segundo a sua ordem cronológica.



1.      BEM HAJAM. 145m, M6+
Em Janeiro, a “Serrinha” prometia um bom Inverno e, aproveitando as primeiras grandes nevadas lá fomos, de piolet em riste, atacar uma linha do Covão do Ferro que há muitos anos nos piscava um olhito desafiante. O que saiu, foi uma via espectacular, intensa e exigente. A primeira tornou-se também numa das melhores da temporada.
Acesso: através da barragem do Covão do Ferro.
Material: friends, entaladores bicoins e excêntricos, cordas duplas de 60m.






2.       DOU NA ERVA. 110m, M5
Trata-se do promontório rochoso situado no cimo e à direita do Corredor Largo que parte do Covão Cimeiro. Escalámos esta via no meio de uma pequena tempestade e com vento. Encontrámos condições húmidas e a neve decomposta. Com boas condições ganhará outro interesse.
Acesso: comum com o acesso à Cascata das Couves, descendo desde o topo do Corredor Largo e logo torcer para a esquerda até encontrar o início do esporão.
Material: entaladores excêntricos e friends.







3.       TRAGÉDIA FELIZ. 100m, WI2+/3
Esta via surge apenas quando a Serra da Estrela apresenta pouca acumulação de neve e o gelo marca a sua presença. Trata-se de uma sucessão de pequenas cascatas finalizando com uma goulotte interessante (já escalada anteriormente, mas sempre em condições de neve e sem gelo – trata-se de um acesso às cascatas Canalito, etc) que acede às cascatas superiores da parede norte na vertente esquerda do famoso Corredor Largo. A via foi escalada pelos Pedro Barreto, Sérgio Cortez e Rui Real que continuaram posteriormente pelo Corredor do Curso até ao planalto superior.
Acesso: descendo o Corredor Largo, mais ou menos junto à parede orientada a norte. Atenção se a neve estiver dura pois acrescenta um considerável grau de exposição.
Material: parafusos de gelo e friends.






4.       DIEDRO DA FRANCELHA. 50m, M5
Trata-se de uma bonita via descoberta pelos Gonçalo Alves e Hélder Massano. Esta linha mista possui dois lances, sendo o segundo o mais difícil. Uma interessante proposta que se avista facilmente desde a célebre Placa da Francelha (sector de escalada em rocha).
Acesso: desde as pistas de esqui, seguir o trilho evidente que se dirige em direcção ao vale de Loriga.
Material: friends e alguns parafusos de gelo.







5.       MIÚDOS. 20m, WI3
Pequena cascata de rara formação que pode surgir quando a Serra da Estrela apresenta pouca acumulação de neve. No mesmo dia em que inauguraram o Diedro da Francelha, Gonçalo Alves e Hélder Massano realizaram a primeira ascensão desta linha de gelo, situada no flanco esquerdo da Placa da Francelha (sector de escalada em rocha). Aproveitando a reunião no topo da placa, ainda escalaram duas outras cascatas mais precárias que se formaram imediatamente à direita da Miúdos. Estas últimas foram escaladas em top-rope.
Acesso: comum com o acesso para a Diedro da Francelha.
Material: parafusos de gelo e friends.






6.       ESCARRAPICHANDO. 120m, M3/70 ͦ/WI2
Esta linha improvável formou-se entre a mini cascata Micro-Coisa e o sector do Cavalo (sectores de gelo no flanco orientado a norte do Corredor Largo). Entra por uma espécie de diedro-corredor, ultrapassa uma série de tufos de erva congelados e troços de gelo e sai pelo Corredor do Curso por um “passito” de misto bem vertical. É uma via que se avista quando a Serra da Estrela apresenta pouca neve e estará facilmente em condições em dias frios.
Acesso: descendo o Corredor Largo, mais ou menos junto à parede orientada a norte. Atenção se a neve estiver dura pois acrescenta um considerável grau de exposição.
Material: friends e parafusos de gelo.






7.       CASCATA MAIS QUE REMOTA. 20m, WI2
Como o próprio nome indica, esta pode bem ser a cascata mais remota do Vale de Loriga e (até à data) a mais longínqua via de gelo da Serra da Estrela. Para colecionadores! É possível avistar esta linha desde a estrada de Seia para a Torre, no lado oposto do vale. Contar com umas duas horas para a aproximação. Existem outras pequenas linhas de gelo por explorar na área. Forma-se apenas quando a Serra apresenta pouca neve.
Acesso: o mesmo que para o Sector Remoto, mas mais longe!
Material: parafusos de gelo.






8.       SEM HESITAR. 185m, WI5/M6
Quando em boas condições é uma via excelente. Para nós tratou-se de uma das melhores aberturas do Inverno passado! Situada na Face Oeste do Cântaro Magro, esta linha comunga espaço com outras belas vias, como a Pepi te Quiero ou a Scottish Way. O primeiro lance escala uma estética goulotte de gelo muito estreita e técnica e o penúltimo lance ultrapassa uma coluna de gelo que já há alguns anos se mostrava desafiadora mas que ainda não tinha sido ultrapassada.
Acesso: cómodo, 15 minutos desde a Curva do Cântaro.
Material: friends, entaladores e parafusos de gelo curtos.






9.       O GATO TEM GARRAS. 40m, WI5+
Este diedro, situado num dos sectores mais atléticos da Serra da Estrela, o sector Powermix, transformou-se (em conjunto com a Miró – a seguir) num grande desafio psicológico. Foi realizada à vista, integralmente em livre e com bastantes passagens no “fio da navalha” e no limite da queda. As protecções sob a forma de friends e entaladores, colocados numa fissura que segue paralela, na parede da direita, revelaram-se excelentes o que contribuiu para o sucesso da abertura. Uma das que mais satisfação trouxe, na temporada passada.
Acesso: desde o estacionamento da “Santinha”, seguir em direcção do topo do Cântaro Raso e antes do topo, alcançar um colo até encontrar a parede norte vertical correspondente ao sector Powermix.
Material: friends e 2 parafusos de gelo curtos.






10.   MIRÓ. 60m, WI5+
Trata-se de uma via de escalada em gelo de imediata identificação pelo seu alinhamento, um fino e elegante risco branco traçado a direito num diedro evidente. Daí o seu nome, inspirado pelas pinturas de Miró. Sem dúvida, uma das mais belas vias invernais da Serra da Estrela. Devido à falta de fissuras evidentes para proteger, foi necessário colocar um mínimo de plaquetes por forma a garantir a ascensão sem incidentes (leia-se: acidentes), em caso de queda.
Acesso: o mesmo que para a via anterior.
Material: friends, 4 parafusos de gelo curtos.






11.   CORREDOR PORQUE SIM. 150m, 60  ͦ/M3+
Num dia de treino solitário, escalei esta via em solo integral. É bastante improvável que esta constitua uma primeira ascensão, devido a ser uma linha muito lógica e evidente. Em falta de qualquer registo conhecido, fica a proposta de nome para este bonito corredor que, nas devidas condições, pode providenciar uma interessante experiência iniciática ao mundo do alpinismo e escalada invernal.
Acesso: via perfeitamente visível desde a Curva do Cântaro. Descer em direcção ao célebre Corredor do Inferno.
Material: friends úteis.





12.   LÓGICO! 120m, 55  ͦ/M3
No mesmo dia, após escalar em solo o Corredor Porque Sim, dirigi-me ao sector Curva do Cântaro e escalei esta via também sem a corda.
Trata-se de uma via que apresenta “dupla personalidade” ambas muito distintas. Quando a Serra da Estrela apresenta um bom manto de neve, este alinhamento perde-se numa simples rampa de neve, larga e desinteressante. Com pouca neve, o seu carácter transforma-se por completo e surgem alguns passos de escalada mista, sobretudo ao longo da chaminé evidente que constitui a “graça” do itinerário.
Acesso: muito evidente e a 10 min. Da Curva do Cântaro .
Material: friends úteis.





13.   CORDA CURTA. 180m, M4/65  ͦ
Há muito que havia visto este alinhamento que vence toda a parede orientada a norte situada à esquerda do início do Corredor Largo, mais precisamente, imediatamente à esquerda das vias mistas: Cinco Euros por Metro e Corredor do Cavalo. Motivado para a realizar em solo, lancei-me à aventura e, no final, saiu uma bonita via variada, de moderada dificuldade que merece a pena ser repetida, quando em condições. A saída é o mais difícil e aí assegurei-me com um troço de corda com apenas 20 metros. Não foi portanto, uma escalada integral em solo mas sim combinada com a parte final, realizada em técnica de escalada em solitário.
Acesso: o melhor será realizar a aproximação desde a Curva do Cântaro, conforme sugerido no livro “Serra da Estrela, Montanhismo e Escalada Invernal”, para o sector Corredor Largo (pág.132 – opção B)
Material: friends e entaladores.






14.   ARRASTA-TE. 100m, M5+
Em fim de estação e com as temperaturas já a roçar a Primavera, formei cordada com Pedro Costa para abrir esta via que segue uma linha lógica no atractivo esporão leste que culmina no cimo do Cântaro Raso. Visto desde a estrada que faz a ligação Piornos-Torre e antes de chegar ao pequeno túnel, o esporão leste do Cântaro Raso inspira quem por ali passa com olhos de escalador. Nesta abertura encontrámos condições longe do ideal para a escalada mista. No entanto, em boas condições pode ser uma óptima opção em dias de estrada cortada, recuperando assim um certo ambiente tranquilo de montanha.
Acesso: são uns 20 minutos desde o miradouro com vista para o Covão da Ametade, situado na curva muito acentuada que precede o túnel (vindo dos Piornos). Com a estrada cortada desde os Piornos contar com uma hora de aproximação.
Material: friends e entaladores.






15.   WELCOME SUMEEER! 180m, M5
Esta foi a última via mista inaugurada na temporada anterior. Trata-se de uma bonita linha com três longos lances de escalada mista e grau ameno que, em caso de se encontrar em boas condições (não foi o caso durante a abertura), pode figurar como umas das mais aconselhadas da Serra da Estrela.
Acesso: através da barragem do Covão do Ferro.
Material: friends e entaladores.







sábado, novembro 17, 2018

Inescaladas 2018 - Acto II

INESCALADAS 2018
ACTO DOIS


O Tiago Faneca na primeira parte da "North Face Indirect".


O campo II foi instalado aos 5550 metros. Conseguimos encontrar um lugar razoável na moreia do glaciar, aproveitando o pedregal de xisto desprovido de neve. Pelo menos durante a noite, evitaríamos o frio vindo do chão de gelo que tantas vezes se entranha nas costas, atravessando colchonetas e sacos de dormir.


Campo II (5550m). A "Shan-Ri" é a montanha que se avista por cima da cabeça do Pedro Costa, em pé. 


Horas antes, tínhamos desmontado o campo I - voltando a carregar 25kg de equipamento na mochila de cada um - e atravessámos a primeira parte do glaciar desconhecido, que escorrega desde os picos misteriosos que cercam o vale. O nosso ritmo lento de ascensão foi por vezes interrompido por passagens obrigatórias de rios que jorravam impetuosos, para se perderem de vista, engolidos por algum túnel, escavado pela própria água no gelo do glaciar.


Rios gelados para saltar.


Desde o campo II já se avistavam todas as montanhas do vale. Analisando o panorama, a decisão sobre que montanha tentar foi rapidamente tomada. Ficaram fora da equação dois picos bastante secos e com passagens rochosas com um aspecto, no mínimo… trabalhoso! Sobrava a penúltima montanha, com uma aresta convidativa e uma face de neve e gelo que não aparentava grandes dificuldades.
No dia 31 de Agosto, iniciámos a aproximação às 4.30 da manhã ainda meio estremunhados pela noite mal dormida.
O glaciar revelou-se bastante ameno, sem qualquer crevasse que pudesse constituir algum perigo. No entanto, o facto do glaciar ser tão linear levou a um engano de percepção da distância. “Creio que nos vamos colocar na base da montanha em uma hora, hora e meia.” Comentara convencido, na tarde anterior. No final, tardámos três horas a alcançar a base da montanha.


O glaciar muito pacifico não ofereceu qualquer dificuldade.


Ao mesmo tempo que mastigávamos uma barra energética de gosto duvidoso, observámos a parede de gelo que se erguia por cima das nossas cabeças. A via que iriamos seguir foi escolhida rapidamente e cruzava a face norte da montanha.
A primeira rampa de gelo foi escalada em “ensamble” utilizando uma táctica de alpinismo pouco ortodoxa. Eu liderava a primeira cordada e ia colocando parafusos de gelo como protecções intermédias, o João Lopes retirava a corda dos mosquetões mas, não retirava os parafusos que seriam aproveitados pelo Tiago Faneca que liderava a segunda cordada. O Pedro Costa estava encarregado de desmontar tudo. 


Os primeiros 100m de via foram realizados em "ensamble", com alguns parafusos de gelo intermédios como segurança.


O Pedro Costa, quase a alcançar a reunião.


Após cem metros montei uma reunião num esporão rochoso com umas plataformas exíguas que pareciam constituir um ponto de repouso razoável, para duas pessoas! Organizar quatro tipos naquele poleiro transformou-se numa tarefa de difícil resolução e, claro está, as cordas não tardaram a ficar enroladas a toda a gente, aumentando assim a confusão. “Epá, levanta aí essa perna!” Ordenava um. “Passa a corda por cima da cabeça… chiça, ficou presa na mochila… outra vez!” Dizia outro. “Ei! Não pises a corda com esses crampons!” Alarmava o terceiro. Assim por diante e no meio do pequeno caos instalado, perdemos imenso tempo na primeira reunião da via. 


O João Lopes num momento de repouso na exígua reunião rochosa.


Finalmente, saímos do novelo de cordas e reatámos a ascensão. Para tentar ganhar tempo, resolvi arfar um bocado e acelerar a escalada dentro dos limites físicos do grupo. Com efeito, a ascensão retomou um ritmo normal e algumas horas depois erguíamo-nos na aresta leste, após escalar a secção mais técnica da via. A parede norte já estava no papo e faltava ultrapassar a aresta de neve.


A escalada prosseguia. Aqui numa reunião mais alta, antes de alcançar a aresta leste da montanha.


“Ali, muita atenção! Caso alguém escorregue, deve dar o alarme com um grito forte para que o companheiro de cordada tenha tempo de reacção. A reacção é saltar para o outro lado da aresta! Lembrem-se, têm mesmo que saltar!” Dei um enfase especial à última mensagem, pois em caso de tropeção a única forma de salvação seria o salto controlado do parceiro para o lado oposto da aresta. Ao nível técnico, contudo, parecia uma travessia muito fácil.
Uma vez mais, dividimo-nos em duas cordadas e a travessia realizou-se sem sobressaltos. Todos desfrutámos da beleza e da estética daquela aresta imaculada.
Após uma última rampa de gelo, atingimos o cume rochoso da montanha. O GPS marcava a altitude de 6197 metros. O céu estava limpo e não corria uma brisa. Avistavam-se montanhas a perder de vista e ficámos ali um bocado a desfrutar o momento. Após aqueles instantes de deleite voltaram os pensamentos mais práticos. “Foto-cume! Vamos à tradicional foto de família!”


Todos no cume aos 6197m. Da esquerda para a direita: João Lopes, Pedro Costa, Tiago Faneca e eu.


Observámos cuidadosamente o cume e não encontrámos qualquer vestígio de anteriores ascensões. Não descobrimos nenhuma peça de equipamento abandonado, ou qualquer mariola de pedras erguida. Aparentemente não existiam provas de outras visitas.
Solene comuniquei: “Parabéns! Não é todos os dias que se escala uma montanha virgem!”
Para mim, este não era o primeiro cume virgem mas, para o resto do grupo, esta montanha correspondia a uma estreia. Representava não apenas uma estreia nos Himalaias como, tinham conseguido alcançar o cume de uma montanha nunca antes escalada.
A “conquista” foi celebrada com alguma contenção pois todos sabíamos que ainda faltava sair dali. Por vezes, as descidas são maliciosas!


A estética aresta leste durante a descida, para a direita na foto caía a face norte da "Shan-Ri".


Destrepámos toda a aresta leste até alcançar um colo entre algumas formações rochosas muito decompostas. Encontrar um bom ponto onde equipar a primeira reunião de rapel foi um pequeno teste para os nervos. O relógio não parava de contar e não convinha mesmo nada ser apanhado pela noite a meio do processo de descida. Finalmente, no meio de um pequeno esporão de rochas empilhadas, descobri uma pequena fissura onde abandonámos um micro-friend e um entalador. “Ok! Mais que suficiente para sair daqui!” Algum tempo depois, aproveitando o lusco-fusco de fim de tarde, após três rapeis, alcançámos o glaciar e o final das dificuldades. Eram as dez da noite quando chegámos às duas pequenas tendas do campo II.
Agora sim, podíamos arrastar-nos para dentro dos sacos de dormir com aquela sensação real de… “Missão cumprida!”

Paulo Roxo



Resumo e croquis da ascensão

Após muita investigação não foi encontrada qualquer referência à montanha que escalámos. De comum acordo decidimos baptizar o pico de “Shan-Ri”. Na língua do Ladakh “Shan” significa Leopardo das Neves e “Ri” significa Pico. À nossa linha de ascensão chamámos “North Face Indirect (300m)” que, como o próprio nome indica, escala a face norte, após a qual segue a aresta leste até ao cume com 6197m, anteriormente virgem.