terça-feira, setembro 13, 2011

Ai, Ai, Ai! Ui, Ui, Ui!

Ai, Ai, Ai! Ui, Ui, Ui!




O Cabo da Roca esconde ainda recantos por desvendar. São meandros e esquinas sombrias que desafiam a imaginação. Nichos de granito que se recusam a desvelar os seus segredos facilmente.

O mar, esse gigante azul, proveniente do horizonte infinito é o maior protagonista nesta paisagem grave. Com um génio irascível, selvagem e para sempre indomável, este mar é o elemento principal que define o Cabo da Roca.


O mar e a pedra.


O triângulo formado pelo mar, a rocha e a aventura constitui a geometria essencial deste lugar mágico.


A Baía do Terror espreita sobre o mar.


Dois rapeis depositaram-nos no fundo da Baía do Terror.


Rapel de acesso.


Aproveitando a maré vazia explorámos um diedro estético e lógico.

É uma sorte ainda poder encontrar estas linhas tão obvias quanto desconhecidas.

Apesar de convidativo, o diedro revelou uma escalada difícil e estranha, pejada de passos em oposição e presas arredondadas. No fundo, algo comum nas paredes espalhadas pela Roca. As desculpas cerebrais para justificar a dificuldade escondiam a verdade: a memória curta.


Dois momentos no primeiro lance.


A ultima via que tínhamos realizado no Cabo da Roca, “O ultimo cromo”, tornou-se num verdadeiro desafio psicológico ingrato. Isso incentivou-nos bastante a mudar de ares e a subir em altitude.

O granito perfeito da Serra da Estrela nada tem a ver com a rocha do Cabo. Mais uma vez, teríamos de nos habituar ás presas aleatórias por cima de ondas violentas. Mais uma vez teríamos de bater à porta (toc, toc!) de blocos mais suspeitos, um lugar comum nestas paragens.


A Daniela atenta, na primeira reunião. Foto de Fernando Pereira.


O segundo lance nervoso mas, baril! Foto de Fernando Pereira.


Apesar das perspectivas, o estado geral da nova via mantinha-se bastante aceitável. Arriscaria mesmo a dizer que a rocha revelava-se francamente... boa.

O segundo lance mais nervoso, permitiu ultrapassar um muro com mau aspecto mas, muito melhor que o esperado.


A iniciar o segundo lance.


A chegar à segunda reunião.


De repente: “zás!” Uma pedra passou-nos por cima, vários metros por detrás da nossa posição. Teria sido uma gaivota, como retaliação pela invasão de moradia? Mas não, não era nenhuma gaivota.


A segunda reunião.


O Fernando Pereira surgiu, suspenso numa corda estática, de câmara em riste.

Bastou um curto “sms” a anunciar uma nova investida de terror na baía,para entusiasmar o Fernando a surpreender-nos com uma visita “paparazzi”.

Pela primeira vez tivemos direito a uma reportagem fotográfica exterior, no decorrer de uma abertura.

“Finalmente, algumas fotos sem cús!”


O macaquinho e o Paparazzi.


Os macaquinhos. Foto de Fernando Pereira.


Uma plaquete depois e alguns metros mais acima, coloquei-me numa posição algo exposta. Era uma sensação estranha, ter alguém mesmo ao meu lado e, ao mesmo tempo ter de negociar uns passinhos mais precários num “run-out” considerável. Seria uma queda estúpida.




Acima, a sequência da colocação do perninho salvador. Fotos de fernando Pereira.


A realizar o passo muito mais tranquilo, protegido pela plaquete. Foto de Fernando Pereira.


A saída da via mostrou uma face inesperada. Uma rampa tão fácil quanto exposta conduziu a uma trepada temerária sem identificação possível na escala de dificuldades. Os chorões e as pedras rolantes em terra movediça transformaram os últimos metros num exercício ridiculamente memorável. Uma triste saída para um terceiro lance bonito e compacto.


"Agora vem aí mais!" E uma cabecinha espreita lá embaixo. Foto de Fernando Pereira.


Três momentos da Daniela no terceiro lance. Fotos de Fernando Pereira.


Para os meus botões, jurei voltar, de forma a corrigir a saída da nova criação.


No topo da falésia, logo a seguir a mais uma... Foto de Fernando Pereira.


No momento em que escrevo estas linhas os futuros repetidores (que decerto, serão ás dúzias!) terão três opções:

  1. Abrir uma saída mais humana (envolve uma limpeza “bulldozer”)
  2. Transportar dois expansivos (e respectivo Kit furador), equipar uma reunião imediatamente antes da secção podre e rapelar até à base da baía, saindo pela rampa de escape.
  3. Realizar a saída original e saborear o medo genuíno que só estes terrenos tão gratamente possibilitam.

Ai, ai, ai! Ui, ui, ui!

Paulo Roxo








3 Comments:

Anónimo said...

Essas vias!!!!! Sempre apimentadas com algum ingrediente especial :-)
Aquele abraço
João Animado

Manú said...

Bem tu na Madeira irias adorar!! É só rocha fornicada!! Eheheh
Abraço e manda mais!!!
Manú

pc said...

Parabéns pelo seu blog e pelos seus conteúdos. O meu nome é Nuno Jesus, sou o autor do blogue Portugal Pedestre , este blogue tem como intuito divulgar os percuros pedestres existentes no Nosso belo Portugal.
Gostaria de saber se estava interessado em efectuar troca de links do seu site com o meu. De qualquer forma já coloquei o seu link no meu site nos links recomendados por nós.

http://portugalpedestre.blogspot.com
Sem outro assunto de momento, com os melhores cumprimentos

Nuno Jesus