quinta-feira, outubro 19, 2006

Terra de ninguém

TERRA DE NINGUÉM


- Ai querias BigWall?
- Ai querias?
- Heheh…

São cinco e meia da manhã e despertamos uma vez mais ao som do irritante despertador. Hoje será o nosso 5º dia em parede. Escalamos à 4 dias imersos nesta grandiosa mole granítica sobre as estranguladas águas do rio Douro.
A madrugada está fria e sobretudo paira no ar uma cerrada humidade. Prevemos que estamos a dois ou três lances de corda do final desta imensa parede. Se tudo correr bem, hoje sairemos desta intensa viagem vertical.
Já com a luz do amanhecer e rodeados de uma espessa bruma, o Paulo inicia mais um largo. Refundido no meu azul Gore-tex, uma estranha sensação de isolamento invade o meu pensamento. Talvez influenciado pelo lúgubre ambiente momentâneo ou pela tristeza do final avistado, pergunto-me se de facto tudo isto valerá a pena. Confesso que em cerca de década e meia de escalada, esta é a primeira vez que tão assustadora questão me ocorre. À algumas semanas atrás, alguém me perguntava se eu não achava que perdia demasiado da vida, ao estar sempre tão envolvido por algo tão incompreensível aos olhos da maioria.
Será que estou a ficar velho? Hummm… a verdade é que nesta manhã tudo me parece tão pouco claro…

Desde o início (nestas andanças), eu apenas queria voar. Voar suavemente como a brisa fresca que agora embate na desnuda pele das nossas faces. Subir onde os sonhos viveriam, onde pudesse transparentemente ver a vida como ela realmente seria, num misto de coloridas luzes e cinzentas sombras, entre picos e profundos vales, submergido numa grandeza que jamais poderia ser quantificada ou tampouco explicada. Naqueles dias, nunca sequer batalhei para compreender o que jamais deveria ser compreendido, tentando viver num qualquer rumo sobre o qual eu pudesse nele acreditar.


Nos últimos anos, esta parede preenchia alguns dos mais secretos recônditos da minha própria ilusão. Acreditava que poderia ser, poderia transformar-se num qualquer portal para um outro mundo. Constantemente me perguntava se nós realmente escolhíamos as verdadeiras encruzilhadas das nossas vidas. Certos acontecimentos, consequentemente transformam-se na nossa própria história, mesmo quando não conseguimos sequer recordar um único e singular momento de decisão.

Na manhã de há quatros dias, reencontrando-me face a face (já em Dezembro de 2004 havíamos tentado a sua ascensão) com esta enorme muralha, diminuto a seus pés, a nossa presença sentia-se como sendo uma escolha, a nossa escolha. A parede encontrava-se silenciosa e sombria, como uma grandiosa catedral de 400 metros capaz de inspirar devoção até mesmo ao mais dogmático não crente. Intuía que a parede falava connosco, sussurrando ironicamente ao nosso ouvido e dizendo: “Bem-vindos à vossa actual realidade! Tem muito para ganhar e tudo para perderem. Agora terão de jogar com as regras da gravidade!”.
Se esta foi a minha escolha, porquê estes inseguros pensamentos? Talvez porque nunca é mais negra a noite do que quando amanhece…

O Paulo termina de abrir mais um largo. Provavelmente o penúltimo largo. Subo recuperando o material. Acima vejo um diedro bastante sujo, húmido e ervoso para finalizarmos esta escalada. De baixo, não parece ter dificuldades de maior, mas uma vez iniciada esta tirada deparo-me com algo extremamente exigente de escalar, com uma elevada dose de exposição. O desejo de terminar é forte mas este lance consome bastante tempo…demasiado tempo.
Finalmente chego ao mais alto do Picón La Carrocera, e lucidamente todas as minhas dúvidas, hesitações e incertezas se dissipam de um só golpe. Liberto um grito de euforia camuflando a minha felicidade. Alguns minutos depois o Paulo, eu e os nossos dois gordos e pesados “petates” estamos reunidos no seu cume e com tempo para absorver o espectacular da situação.

Na minha mente vejo com maior clareza de que a vida é seguramente melhor aqui em cima do que lá em baixo, na cidade. Suportar a vida diária não me é fácil. Na realidade não creio que encaixe totalmente nela. Não consigo imaginar um sentido realmente útil. Todos os meus desejos apontam em direcções sem esperança, como sonhar e sentir-me vivo nesta austera parede. Ter um pé no socialmente correcto tem as suas vantagens, mas escalar é a verdadeira fonte das minhas vivências. Estou seguro que este caminho em direcção ao cimo deixou a marca da sua magia gravada nas nossas almas. Diante de nós, este imenso mar de pardacento granito assim como as tranquilas águas do Douro, avassalam-me, como um deserto sem gente, como só apenas aqui o poderia sentir, aqui longe…longe nesta Terra de Ninguém!

Miguel Grillo (11/10/2006)
Ficha Técnica e enfadonha de uma aventura vertical (foram avisados!)
Em Dezembro de 2004 realizámos a primeira tentativa.
Falo da tentativa de abrir uma via nas polidas paredes de granito do Douro Internacional.
Nessa altura fazia tanto frio que o desgraçado a quem tocava assegurar entrava em hipotermia como se de uma ascensão aos Himalaias (tão em voga nos dias que correm) se tratasse.
Após três sofridos lances, fugimos daquele gelo em direcção a um quente prato combinado, em Aldeadávila.

Importante: Antes de continuar, gostaria de referir que por aqui abundam passarinhos raros. Assim, torna-se imperativo respeitar a época de nidificação, de Janeiro a Agosto!

Este ano o Miguel e eu voltámos à carga.
Cinco dias depois emergimos triunfantes, qual águia sobranceira, no topo do pico de nome curioso, "La Carrocera".
Por baixo dos nossos torturados pés ficaram 400 metros de escalada sobre o rio Douro.
Para trás ficou todo o trabalho bestial de carregar e içar petates (grandes mochilas altamente desengonçadas mas, ultra reforçadas de modo a sofrer os piores roçamentos de toda a história da escalada).
Para trás ficou a horrível (e, ao mesmo tempo, bela) aproximação à base da parede.
Para trás ficaram as horas e horas de escalada lenta conquistada centímetro a centímetro.
Para trás ficaram as cuecas e as meias positivamente decoradas após cinco dias de parede.
Ficou combinado que o Miguel escreveria o texto "lamechas" e eu, o texto técnico da aventura. Por isso vou espetar-vos com uma seca de 12... ehh... 14 capítulos porque, para além dos 12 lances abertos ainda temos de juntar o acesso e a aproximação.

E é mesmo aqui que abro um parêntesis para vos dizer que estão à vontade para abandonar este blog e voltar a clicar no "Havista.com" ou em qualquer outra página à vossa escolha. Ou mesmo, desligar o computas e ir ver o "Preço certo", ou a novela da "Floribela". A sério! Estão mesmo à vontade!

Para os masoquistas resistentes aqui vai a descrição da via:

TERRA DE NINGUÉM, 405 mts, 6a+/A2
O Zé (sim, simplesmente "Zé"), para quem de quando em vez vou vergar a mola nos trabalhos verticais, ao saber da nossa aventura disse imediatamente: "Epá, essa parece ser a maior parede Portuguesa... em território Espanhol!"
"Yep! Boa descrição" Pensei.
Mas não, a maior parede ainda creio ser a Nédia na Peneda, mas essa é muito mais tombada. A Carrocera será talvez a mais... Tesa!
Não está de facto em território Português mas sim, voltada para Portugal (e aqui deve estar a razão pela qual ainda não possuía qualquer via. Imaginem se estivesse voltada para Espanha...).
No fundo, o que quero dizer é que este é um paredão colossal (como outros na zona), onde se torna obrigatório utilizar as técnicas de Bigwall.
Para terem uma ideia de como funcionam estas coisas, aqui vai uma versão resumida das acções de um típico dia de Bigwall.

Empacotar tudo de forma minimamente ordenada. Contar com 2 a 4 horas de trabalho.
Escalar em artificial durante horas e horas seguidas. Em geral é neste momento que o assegurador se coloca a questão do milhão: "Que merda estou eu aqui a fazer?"
Içar os maravilhosos petates. Acção não isenta de riscos que envolve técnicas de desmultiplicação de cargas de concretização básica... nos manuais, mas não na vida real! Claro está que as reuniões devem ser à prova de bomba... termonuclear... uma vez que lidamos com pesos brutais.
O segundo de cordada coloca os dentinhos afiados das levas dos jumares na "camisinha" da nova Beal e "jumareia" a corda de escalada previamente fixa. Este cavalheiro desmonta toda a quinquilharia colocada pelo primeiro de cordada. Incluindo entaladores demasiado entalados, pitons que teimam em não sair e friends ridiculamente encravados. Uma maravilha. De qualquer modo é bem melhor do que içar os petates... bem, partindo do princípio que estes não ficam presos por baixo de um tectinho qualquer (coisa bastante frequente!). Aí, lá vai o segundo armado em herói, a rodopiar na corda (que roça por todos os lados), com um pátio do camano por baixo das nalgas, para forcejar como um condenado de forma a conseguir desbloquear os teimosos petates. Conclusão: Deixem-se lá de cócós com o pozinho na camisinha das cordas e com os saquinhos de protecção! Aqueles esparguetes aguentam um boi, mesmo com a alma à vista em vários sítios.
Montar o "acampamento".
Pendurados como chouriços devem os intervenientes montar a maravilhosa hamaca: "Foda-se! Lá no meu quarto eu montava esta jorda em menos de um minuto e aqui... porra, esta fita onde é que fica?... Merda! Os meus rins!"
Cagar!
Ah pois é! Pensavam que a malta desligava o circuito quando escalava uma parede desta envergadura? Como podem imaginar, a acção desenvolve-se com uma subtileza extrema:
– Arriar a calcinha de arnés posto (muito prático!)
– Enquanto semi-suspenso na reunião, enviar a encomenda ao vazio (esperando que um passarinho não se lembre de passar na linha de fogo nesse preciso momento).
Pequena nota: se estiveres no El Capitan, "enviar a encomenda ao vazio" pode significar alguns dias atrás das grades e uma multa de fazer saltar os olhos das órbitas. Ali, levas os cagalhotos até ao cume.
Mesmo depois deste texto (leia-se: especialmente depois deste texto), não creio que a massificação chegue ás "Arribes del Duero", por isso e, uma vez que falamos de algo biológico... aqui vai disto!!
– Evitar que o parceiro se atire ao abismo por não aguentar mais o espectáculo decadente de alto teor radiológico.
Creio que estas difíceis situações podem ser minimamente suportáveis se pensarmos na seguinte máxima: "Se as enfermeiras conseguem... eu também vou conseguir!".
Uma mola no nariz também pode ajudar.
Dormir de arnês colocado, atado à reunião e deitados na claustrofóbica hamaca em posição de 69... pois, pois... que piadinha!
Horas depois, eis que surge o novo dia e a rotina recomeça uma vez mais.

VIVÓÓ BIGWALL!!

Bem, supondo que o pessoal irá aos magotes repetir esta via vou passar então à ficha técnica:
1º Capitulo
O Acesso


Se o Rallye não é bem a tua modalidade favorita então o melhorzinho é mesmo cruzar a fronteira em Vilar Formoso e, pouco depois de Ciudad Rodrigo, virar à esquerda seguindo a direcção da povoação de nome esquisito: Vitigudino, depois é só continuar até Aldeadávila de la Ribera.
Em Aldeadávila, seguir as indicações para a barragem.
Se por um acaso não se perderem, irão passar por uma central eléctrica.
Mesmo à direita existe um parque de merendas.
Mesmo nesse parque existe um telheiro.
Mesmo nesse telheiro existe um ratinho... pronto, esqueçam o ratinho!...
Mesmo nesse sítio é possível dormir ao abrigo da chuva. Não se escala um corno mas, pelo menos, evitas molhar o lombo e uma possível gripe de antologia.

2º Capitulo
A Aproximação

Ui, Ui! Este é um bom tema.
Alcunhámos o canal de aproximação com o nome: "A floresta do Bornéu"!
Só terás de descer o trilho que se dirige ao "Mirador de Picón del Filipe". Desde esse caminho avistas o topo da parede da "Carrocera". Desces para a esquerda até ao colo. Até aí, tudo na maior. Ervinha, caminho bom, etc. Depois continuas a descer até ao início do canal. Começas a maldizer a vida e a refilar com o petate: "Tinha de trazer uma coisa tão grande e mal jeitosa?". Continuar a destrepar. Fácil mas, cuidadinho com os escorregões. A dado momento tens de realizar um rapel de uns 25 metros desde uma árvore (nós fixamos uma corda estática, a qual retirámos no final da... expedição).
Depois vais descendo intuindo o caminho por entre o denso arvoredo e as simpáticas – e sempre presentes Silvas. Este é o momento em que preferias não saber que os Américas também chamam aos petates PIG. Irás sentir que transportas um enorme e rechonchudo porco. E um porco vivo! Que se debate e debate fazendo-te desequilibrar constantemente. O bom da questão é que mesmo que caías nunca irás parar muito longe. O mais provável é que fiques completamente atascado numa grande confusão de ramadas e silvas. Uma agradável perspectiva para colorir o cenário.
De vez em quando surgem troços de uma velha escadaria de pedras, montadas na altura da construção da barragem.
Irás passar por uma velha escavadora destroçada, tétrico testemunho de um voo descomunal desde o topo da parede oposta à Carrocera.
A via começa num ponto em que a velha escadaria é estrangulada entre um grande bloco e a parede própriamente dita.
Ao terminar a aproximação é que um tipo começa a apreciar a beleza luxuriante da "Floresta do Bornéu" e... a aperceber-se da aventura em que realmente está metido!

3º Capitulo
Primeiro lance: 35 mts, 6a.

FINALMENTE A ESCALAR!
A entrada é fácil. Há que subir uns ressaltos musgosos para, pouco depois, seguir uma fissura em diagonal para a esquerda. No final dessa fissura há que arrebitar as orelhas e respirar fundo pois, toca a destrepar um pouco para voltar a escalar em diagonal para a esquerda.
Após uns enormes blocos encavalitados de aparência precária (não há razões para alarme porque em caso de acidente a morte será rápida e indolor!) mas, de solidez bastante aceitável, realizar uma travessia horizontal até à reunião, equipada com um fresco e luzidio perninho de 10 mm.

4º Capitulo
Segundo lance: 30 mts, A1 (7a).

Este é simples. Basta seguir o diedrão até ao final, em direcção ao intimidante e grotesco tecto.
A reunião é a mais cómoda da parede (risinho irritante de chico-esperto)... absolutamente em suspensão no arnês. No pain, no gain!

5º Capitulo
Terceiro lance: 30 mts, A1+.

Evidente. A ideia é cruzar o mega tecto o mais rapidamente possível. Um rapel pendular a meio do tecto (plaquete) conduz ao resto da travessia. Logo, um ou dois passinhos de gancho em buraquinhos mano-facturados (se é que esta palavra existe!) e irás desembocar na reunião (dois pernes... espectáculo!). Claro, terás de realizar tudo isto antes que as pernas do teu companheiro (que assegura na tal reunião suspensa) gangrenem e tenham de ser amputadas no hospital de Salamanca.

6º Capitulo
Quarto lance: 25 mts, A2 (6b/A1+)

Até parece que os estou a ouvir: "Frouxos! Então não é só um seis bê?? Não o abriram em livre?! Tinham de o escalar em artifo?! Frouxos!" ao que respondemos: "Merda! Aquilo era uma placa sem fissura! Tínhamos de proteger nalgum sítio, não?! A malta não podia disparar por ali acima desalvoradamente e de qualquer maneira, não é? Nenhum de nós é o Larau, porra!!"
Enfim, se por um acaso do destino se sentirem inspirados podem escalar esta coisa em livre. É só seguir para a esquerda, em direcção ás arvores que espreitam
convidativas. Sim, tem montes de chapinhas... três!

7º Capitulo
Quinto lance: 30 mts, 6a.

Fiquem sabendo que o "Jardim dos Abutres" foi a nossa moradia durante duas noites.
Desde aí, subir o diedro sujo da esquerda até ao "Pátio das cantigas". Este largo é um tanto ou quanto exposto por causa da rocha (o único largo de rocha "questionável") e das saudades de proteger.

8º Capitulo
Sexto lance: 35 mts, A1/6a+.


Este é dos sinuosos. Começa no "Pátio das cantigas". Em primeiro lugar, uma trepada fácil (ou semi-dificil) para a direita. Depois uma artificialada também fácil para a esquerda, proteger a bem dita plaquete e... esperem um momento... "Epá Miguel! Acaba lá com essa cantoria! Deixa lá o Marco Paulo em paz! Foinix! Um tipo nem se pode concentrar a escalar!"... bem, onde é que eu ia? Ah, pois... seguir a fissura vertical, realizar uma secção em obliquo para a esquerda (já em livre), cruzar uma bela "Flake" Yosemitica e entrar numa espécie de canal vertical mais fácil, mas delicado, até ao ponto de reunião que se monta com uns friends bombásticos... simples, não?

9º Capitulo
Sétimo lance: 15 mts, IV.

Canal facilão!

10º Capitulo
Oitavo lance: 35 metros, 6a+.

Entrada por um evidente canal, que rápido se transforma em chaminé larga. À esquerda ergue-se um belo e convidativo diedro, desprovido de ervas... esqueçam! A via não segue por aí. Só para chatear, a via segue pela fissura ervosa (toca a limpar ervinhas!) O objectivo é a arvore que aflora no final.
Reunião equipada com dois fantásticos "parabolhos".

11º Capitulo
Nono lance: 45 mts, 6a+/A1.

Espantástico mega-diedro laranja. Mas antes há que ultrapassar um pequeno diedro muito dificil, ganhar uma plataforma e escalar um novo diedro "amazônico" (eu consegui arrancar alguns quilos de erva e terra, de forma a aceder à fissura para proteger. Ou seja, fui abrindo umas "ilhas" de metro a metro).
Ao atingir o diedro limpo, é só curtir!

12º Capitulo
Décimo lance: 30 mts, A2.

O protótipo do diedro perfeito. Pena que a fissura teima em não alargar o quanto baste para possibilitar a total protecção com entalecos e friends. Há que pitonar um pouco.
Este largo fantástico desemboca num verdadeiro hotel. Uma grande plataforma que chamámos "Plaza Antonio" – O Antonio parece ser uma personagem que trabalha na barragem adjacente (isso foi o que depreendemos ao ouvir o megafone que chamava repetidas vezes pelo "Antonio").
Nesta "Plaza" passámos a ultima noite em parede.

13º Capitulo
Décimo primeiro lance: 45 mts, V+.

Contornar a parede pela direita. Do outro lado surge um grande canal de árvores a evitar. A via segue por uma fissura que percorre o esporão à esquerda do canal. A meio, saltar para cima de um ombro desde o qual avistamos de novo o rio e a bela paisagem circundante. Uma escalada fácil conduzirá a outra grande plataforma e a uma azinheira isolada.

14º Capitulo
Décimo segundo lance: 50 mts, E.T. 4+.

Trata-se da fissura/diedro de aspecto facilão (enganador) em linha vertical até ao cume.
Lance de alto valor botânico pela quantidade vegetal que cobre a fissura. O Miguel
teve aqui um verdadeiro teste à sua paciência pois, o que pensava ser um lance de simples resolução, revelou-se um arriscado jogo do "eu meto aqui o pé mas será que não escorrego?".
"Não me perguntes o grau desta coisa porque eu não saberei o que responder!" Dizia-me repetidas vezes.
O Húmido largo agricola foi finalmente ultrapassado após alguns passos elegantes de "Erva Tracção (E.T.)". E assim, nasce uma nova escala de dificuldades com valores que vão do 1 ao 5. Este largo foi cotado de E.T. 4+ (a jumarear fui arrancando algumas ervas, descobrindo um pouco mais de rocha, por isso, neste momento não deve estar assim tão mau).

Epilogo

Podia estar para aqui a gastar litros e litros de tinta, a descrever a beleza da paisagem circundante, o pôr do Sol maravilhoso (eram umas duas da tarde!), ou o espectácular vôo dos Estorninhos que se reagrupavam nos céus, após milhares de quilómetros de migração mas, tal como tinha dito anteriormente, eu tinha a meu cargo a ficha técnica. Assim, tecnicamente vos digo que chegámos ao cimo deste calhau de granito todos cagados! E, ao transportar de uma só vez todo o material até ao carro, o suor arruinou de vez com as T-shirts (que nunca trocámos).
O nosso perfume de fragrância cavalar ameaçava um atentado ecológico de nefastas proporções. Felizmente, um belo banho nas águas tranquilas do Douro resolveu o assunto. Creio que provocámos a morte de muitas espécies de peixes das redondezas mas, citando um grandessissimo filho da p... opss... pilar da justiça mundial, George Bush, isso são apenas danos colaterais.

Todos comigo, não se acanhem!

VIVÓÓÓ BIGWALL!!

Paulo Roxo


Croqui:

Fotos:
Picón La Carrocera

Acesso pelo Canal da Floresta do Bornéu




A Escalada, os Bivaques e a Içagem dos "petates"






















5 dias depois...la cumbre!!!



O regresso

20 Comments:

nuno said...

Espectacular!!!
Há quase duas semanas que passava por aqui varias vezes ao dia e ver se já havia novidades desta grande aventura!

zm said...

Estou de boca aberta! Que grande aventura vertical.
Os meus sinceros parabéns, e um forte abraço aos dois intrépidos trepadores.
ZM

Isabel said...

Excelente relato!!! De 0 a 10, nota 20!
Os meus parabéns aos dois gurus!
Acho que agora já sei porque prefiro a desportiva...

Daniela said...

Uma das grandes virtudes de quem escreve, é a capacidade de resumo!
Excelente resumo eheheheheh.
Os "meus 2 meninos" são mesmo fantásticos :))))))))))
...será que um desdes dias me levam a repetir esta?
Vontade e curiosidade não me faltam!
Daniela

sesa said...

ora lá estão eles, sempre lá. tinha ouvido uns boatos e estava curioso. o relato está espectacular como sempre. quer a parte lamechas quer a técnica.
grande abraço.

Pereira said...

Tremeda odisseia!
Este género de "aberturas" é mesmo "terra de ninguém".
Não deve de haver muito mais malta a raspar-se pelas silvas com tanto prazer.
E ovos? Não trouxeram ovos? Toda a gente sabe que se traz normalmente uma caixa com meia dúzia de ovos de abutre como lembrança!!!
A graduação própria para largos de mato é similar à do Roraima Tepui J1, J2 ... a J5 (J = Jungle)Bate certo!

Uma pergunta. Corda simples e trail line resulta-vos melhor que dupla? Ou o peso já era demais?
FP
20OUT06

Peeeeeeeedraaaaaaaa!!!! said...

Creio que neste tipo de ascensões, resulta melhor corda simples e uma outra auxiliar (ou trail line, zip line..., isto porque nos largos de artificial é mais rápido e fácil o 2º cordada subir com Jumars de forma que com tanto roçamento, arestas afiadas e movimentos pendulares...nada como uma gorda corda de 10.5mm ou mais!!

Como auxiliar utilizámos uma corda semi-estática também de 10.5 para subir os "petates". Por vezes, em alguns lances, o 1º cordada escalava apenas com cordino de 7mm e 60 mts como "zip line" para pedir algum material em falta e depois içar a corda estática e posteriormente os "petates".

Consuante as caracteristicas do lance acima, tentavamos adoptar a melhor opção.

Miguel Grillo

Hewaz said...

muita bem!!!!
é bom saber que pessoal ainda aperta nas classicas,
mas eu acho que vou continuar na desportiva e bloco(não se pode cobrir todas a areas!!??!para alem disso tenho medo de alturas)

xau xau e boas trepas, marteladas nos dedos, danos psicologicos e tudo o que a classica tras de bom!!

diogo fartaria said...

bom! muito bom!!
isto é que foi uma aventura!
andar a carregar com "porcos"
W.C.'s em altura com lançamento de bombas de destruiçao maciça,vejam la se nao dao ideias ao bin laden lol
pensamentos do tipo "o k e k eu tou aki a fzr?!"
epa k mais se ker numa aventura?!
exelente relato e parabens pela aventura

FCS said...

É incrível como estes 3 m de texto conseguem estar à altura para descrever os impressionantes 405 m de rocha! Em resumo: Que fantásticos 408 m!
(Ei Nuno! Viste o desafio no croqui?)

flash said...

Que grande aventura a vossa. Dá alguma vontade entrar nas lides da classica, mas tb dá medo :)

Parabens!

Spiri said...

É fantástico como conseguem descrever uma aventura tão dificil com tanto humor/amor. Parabéns!

taia said...

Cinco dias é umas férias na vertical.
Lindo...
Força

chb said...

Vocês dois não param de supreender... gandas malukos... 5 dias sem ver floribela... lol

Nice report!

Apertem!

P.R. said...

Olá a todos.

Queria agradecer a todos as simpáticas mensagens que enviaram.

O Douro Internacional é de facto um grrrande local para o Bigwall.
Um tesouro sem par!
Também do lado Tuga existem uma série de paredes (entre os 250 e 350 metros) ainda à espera de uma primeira ascensão.
Ou seja... novos capitulos virão!

Um abraço e mais uma vez obrigado a todos.

Paulo Roxo

Miguel "Teco" Taborda said...

desculpem-me a expressão, mas... QUE "BIG COJONES"!!!
mts parabéns pela força de vontade e pelo empenho.
continuem com a mesma garra, mas sempre a relatar!
abraço

Sara MM said...

ora toma!!! essa á pra quem dá a desculpa que em Portugal não há, e coiso e tal!!

pois... há!!
mas não pra todos!!


E vocês estão de parabéns, por tudo!!
- até os rabiscos a que chamas croqui :o)


Qt às dúvidas.. o que vale é que passam depressa, né?!
... ainda pra mais depois de um feito destes!
... por isso, continua(em)!!!


BJss
Sara (Lourinha)

teixas said...

joder estay de puta madre!
he he portugueses á conquista do reino de castilla
continuem
abraço
teixinha

Anónimo said...

olá colegas escaladores, é só para lembrar que estas aventuras carecem de autorização dos parques naturais do Douro internacional (se a aventura for do lado português) e Arribes del Duero se for do lado espanhol (conhecendo como conheço os nuestros hermanos zeladores deste parque se vos viam era de facto uma maçada), precisamente estas paredes em Aldeadávila são o centro de uma das zonas de maior sensibilidade ecológica. seria de facto bom falar previamente com os responsáveis desses parques, pois como concordarão trata-se de um dos locais mais ricos em wildlife do nosso país e já há poucos, basta ver o gerês ou a estrela os desertos faunisticos em que estão transformados desde há muito..

Anónimo said...

ES PRECISO PEDIR PERMISO A LAS AUTORIDADES DEL PARQUE DE LAS ARRIBES DEL DUERO PARA REGULAR SI ES POSIBLE LA ESCALADA EN ESTA ZONA , SICONSEGUIMOS PERMISO PARA ESCALAR AQUI SE PUEDEN ABRIR UNAS VIAS DE ESCALADA DE LO MAS BELLO, PERO ES NECESARIO HACERLO CVON ABSOLUTO RESPETO AL MEDIO NATURAL. UN SALUDO DESDE EL LADO ESPAÑOL. Y FELICIDADES POR LA AVENTURA