segunda-feira, março 22, 2021

Face norte do Cântaro Gordo

FACE NORTE DO CÂNTARO GORDO 


A face norte do Cântaro Gordo é a parede sombreada da esquerda.


Já andávamos curiosos com a face norte do Cântaro Gordo há algum tempo. Chegara a hora de dar uma espreitadela. No dia 22 de Fevereiro, um sol radiante e um frio prometedor viu-nos a atravessar o planalto superior em direcção ao Cântaro Gordo. A neve debaixo dos crampons apresentava-se bem transformada. De facto, já não encontrávamos uma neve tão boa há bastante tempo.

Já na base da face norte do Gordo descobrimos uma parede de neve, gelo e rocha, com um aspecto excelente. Uma oportunidade para aproveitar.


A Daniela observa o futuro...


Logo nos primeiros passos de escalada mista, encontrámos uma neve bastante diferente da que descobrimos durante a aproximação. Agora deparámo-nos com uma neve açucar, sem consistência para permitir uma boa tracção dos piolets. Os tufos de erva e musgo, quando congelados, permitem uma dose de confiança adicional pois os piolets cravam-se como se de gelo se tratasse. Neste dia não tivemos essa sorte! Apesar do frio, estranhamente, os tufos de erva não estavam congelados e não nos iriam servir de muito para progredir. Teríamos de nos defender com os clássicos gancheios em fissuras rochosas.


A iniciar a "Pézinhos de lâ". Constatação imediata de condições... menos boas.


Apesar das más condições, o muro compacto de rocha deixou-se escalar através de uma linha de fraqueza lógica e desafiante. Um primeiro lance de dificuldade “amena”, deu seguimento a um largo diagonal, com dois ou três passos picantes e mentalmente cansativos devido à sua relativa exposição.


A terminar a "Pézinhos de lâ". 80 metros inesperados de misto.


Terminámos a primeira via do dia, na crista do Cântaro Gordo e, poucos metros mais abaixo, abandonou-se uma cordeleta para realizar um longo rapel até à base da parede.

A face norte do Cântaro Gordo recebia assim a sua primeira via invernal.


No topo do Cântaro Gordo... next!


Ainda com tempo disponível, deixámo-nos levar pela visão de uma nova linha atraente que conduzia ao topo de uma pequena torre destacada.

No primeiro lance o “crux” surgiu na saída, obrigando a alguns passos difíceis num extra-prumo acentuado mas com bons gancheios e protecções fiáveis, permitindo ultrapassar as dificuldades sem muitas complicações.


A Daniela a ultrapassar o primeiro "crux" da "Não venhas gordo!"


Montada a reunião numa fenda oportuna, observámos o terreno acima. Uma canaleta de aspecto fácil desenvolvia-se pela direita. Caso seguíssemos por ali seria uma via desequilibrada ao nível das dificuldades. Um lance duro de entrada para terminar com um segundo lance muito mais fácil. Previa-se um sabor final um tanto ou quanto amargo. No entanto, uma observação mais cuidada fazia pensar que existia uma alternativa mais… equilibrada, leia-se: mais dura!


A Lagoa da Paixão em evidencia.


Resolvemos meter-nos pelo centro do pilar de rocha vertical. “Vamos tentar!” Uma primeira secção fácil em travessia permitiu aceder ao tecto no centro da parede. Felizmente, uma fissura franca consentiu proteger convenientemente, reduzindo em grande medida a exposição de uma potencial (e provável) queda. Gancheios laterais em bavaresa… crampons “em aderência” na parede lateral esquerda… gancheio potente muito por cima da cabeça, num pequeno bloco entalado na fissura… proteger com um bom camalot 0,75… escalar o próprio piolet bem gancheado… bloqueio duro… soltar o piolet direito e gancheio aleatório por cima do tecto… confiança… “Será que está gancheado?”; “Atenção!” Lá em baixo, a Daniela assegurava atenta. “Ok! Aí vou!” As forças estão no limite. Em apneia, tracciono o piolet direito, procuro um friend e atiro-o literalmente, meio à balda, para dentro da fissura disponível. A energia esvai-se a cada segundo que passa. Não aguento mais… dou tudo o que tenho e ergo-me nos dois piolets gancheados. Os crampons raspam violentamente no granito até que, sem saber como, um deles “agarra-se” a alguma protuberância minúscula. Num instante estou por cima do tecto em terreno mais fácil. Não sinto os braços, mas já consigo respirar. Os próximos metros ainda não são fáceis, mas apresentam-se muito mais amáveis que a escalada precedente.


No tecto muito difícil da "Não venhas gordo!" Uma das vias dry-tooling mais duras da Serra da Estrela.


A terminar a "Não venhas gordo!"


Desde o topo da pequena torre desfruto da paisagem invernal circundante. Os ante-braços acusam o esforço. Estou feliz. “Que via espectacular!”

Enquanto asseguro a Daniela, concentrada no esforço de ultrapassar as dificuldades da nova via, observo as paredes em redor. O potencial para a escalada mista é considerável…

“Está ali uma linha bem apetecível. Vamos?”

O futuro no “nosso” jardim apresenta-se risonho…


Paulo Roxo


Um reconhecimento com o Cântaro Magro envolto em mística...


Os topos








segunda-feira, março 08, 2021

Bucólico reloaded

SECTOR BUCÓLICO

RELOADED

 

Ambiance... Bucólica!


A ideia de desenvolver esta área começou com o plano de preparar um local adequado, e ao mesmo tempo recatado, para realizar os meus cursos de escalada em rocha. No entanto, as futuras explorações alteraram o objectivo original, o de criar uma simples “escola” de formação.

Neste momento o sector Bucólico possui 20 vias, entre as quais algumas totalmente equipadas.


Na bela e recente via de escalada desportiva "Ventoleira".


Esta “escola de escalada” alberga vias de escalada clássica, para as quais serão necessários um conjunto de friends e alguns entaladores, bem como algumas vias totalmente equipadas que se resolvem utilizando apenas um conjunto normal de expresses e os respectivos mosquetões de segurança. Algumas vias possuem três lances. Contudo são lances curtos, para os quais a utilização de corda simples de 60 metros será suficiente. Com excepção para a "Variante entrada" (via 4), todas as vias possuem as reuniões equipadas.


A inaugurar o pequeno sector de iniciação: "Rachinhas".


No campo das dificuldades, a maioria das vias são de dificuldade baixa e algumas moderadas, com uma ou duas difíceis. Creio ser um sector apropriado para se aprender as técnicas de escalada de auto-protecção (clássica) ou para a iniciação à escalada em rocha - quando devidamente acompanhado por alguém com saber e experiência na matéria - ou simplesmente, para passar um dia agradável de aventura comedida em contacto com a natureza. 

ATENÇÃO: Apesar da dificuldade relativamente baixa da maioria das vias, este é um local de escalada de aventura, isolado e pouco visitado. Prestar atenção a possiveis blocos ou pedras soltas e usar sempre o capacete.

O posicionamento geográfico contrasta com o que normalmente associamos à Serra da Estrela, com os seus escarpados de granito impressionantes e os desníveis acentuados. Aqui a morfologia apresenta um aspecto mais "tranquilo". Contudo, a localização altaneira permite vistas desafogadas, podendo observar-se o planalto superior da Serra da Estrela com neve no Inverno e os seus belos maciços em evidência, como os emblemáticos Cântaros. O ambiente campestre e o facto de quase não se avistarem casas até onde a vista alcança provoca sentimentos de calma e serenidade.

Uma envolvência… bucólica.


Paulo Roxo


Os topos

 












Equipamento necessário:

- Micro-friends

- Friends

- Entaladores

- 10 expresses

- Mosquetões com segurança

- Descensor (reverso)

- Capacete

- Prever cordeleta para substituir algumas cordeletas de reuniões

- Boa disposição e respeito pelo local e pela natureza


segunda-feira, janeiro 25, 2021

Ice report - Acto II

 ICE REPORT - SERRA DA ESTRELA

(A primeira report da temporada... desejando não ser a última!)


ACTO II


A parede leste do Cântaro Magro desde o Covão da Ametade.


O frio e a neve transformaram a face leste do Cântaro Magro numa bonita parede branca. O aspecto “Scottish” irresistível encheu-nos de motivação para tentar escalar um velho projecto adiado.

Um longo diedro evidente ergue-se no flanco direito da parede. Trata-se de um alinhamento inevitável de uma estética inegável… pelo menos para nós. Com as condições minimamente reunidas, resolvemos tentar a sorte. Concluímos a aventura após ultrapassar vários lances duros de escalada mista, incluindo uma secção especialmente difícil que obrigou a recorrer à escalada artificial. Porque teimámos em terminar da forma mais tradicional - leia-se: no cume - a ascensão consumiu muito mais tempo que o previsto. Com o avançar das horas resolvemos abandonar através de uma travessia lógica de escape para a direita, indo parar à face norte, buscando o famoso anel do Cântaro. Após vários “zigues e zagues”, optámos finalmente, por seguir pela canaleta da clássica “Y”, na “headwall”, de novo na face leste.


"Colagem" de gelo por cima das plcas de granito, escaláveis e "traccionáveis".


A longa jornada de aventura terminou noite dentro e nesse dia jantámos às 23h!

Baptizámos a nova linha de “Irrepetível” (220m, M6+/A1). Contudo, o escape para a direita, abandonando a parede principal, deixou-nos um tanto ou quanto sabor de boca amargo. Logo que as condições voltem a reunir-se, contamos retornar para repetir a “Irrepetível” e tentar “endireitar” a via, através de uma continuidade mais directa, que não obrigue a abandonar a face leste.


Bem dentro da noite, cansados mas felizes!


Passagens técnicas na "A irrepetível".


Durante as nossas múltiplas passagens de carro pelo Covão da Ametade, inevitavelmente, observámos o evoluir das condições no Cântaro Magro, até que, nos surgiu uma extraordinária visão. Observando com atenção, reparámos numa aparente linha ininterrupta de gelo que se iniciava na base da face leste do Cântaro Magro prolongando-se por muitos metros através do flanco esquerdo da parede. Foi um fantástico momento “Uau!”

Ainda cansados da actividade do dia anterior, resolvemos adiar um dia, perdendo assim a oportunidade de tentar a nova via no momento mais frio da semana. Apesar das previsões apontarem para uma subida de temperaturas e sendo uma parede com orientação leste, significando uma grande exposição ao sol matinal, decidimos subir na mesma. Estávamos convencidos que aquela seria a última hipótese de tentar uma via única e, provavelmente (essa sim), irrepetível.


Uma incrível cascata vertical na face leste do Cântaro Magro. Este foi "apenas" o segundo lance do lençol de gelo que se formou ao longo de seis tiradas de corda... Yuupii!


Literalmente numa corrida contra o sol, fomos escalando uma sucessão de cascatas de gelo de fusão, algumas constituídas por secções tão finas que se tornaram impossíveis de proteger. Por sorte, a dificuldade mantinha-se em níveis baixos e moderados, permitindo uma boa gestão do risco. Com excepção para os pontos de reunião onde utilizámos alguns friends, fomos protegendo sempre com parafusos de gelo. À medida que ganhávamos altura alucinámos com o insólito da própria situação: “Incrível! A face leste do Cântaro em piolet tracção!”


Ali, onde normalmente existe uma placa de granito compacto... piolet tracção!


Ultrapassados seis lances de escalada, alcançámos o final da linha ininterrupta de gelo. A nova via terminou no sítio mais lógico de saída, na base das belas vias de escalada em rocha da face sul, com escape para o célebre “Corredor dos Mercadores”.

Dadas as condições precárias e “no limite” em que encontrámos o gelo, resolvemos baptizar a nova linha de “No Limite Vertical”. O dia seguinte comprovou as nossas suspeitas de que o nome fora adequado. Com o aumentar das temperaturas vários troços da nova via tinham-se despenhado. A parede despia-se do seu casaco de gelo.


Ali, onde normalmente existe uma placa de granito compacto... piolet tracção!


Não satisfeitos com a mega linha de escalada em gelo, ainda atravessámos o “Corredor do Mercadores” para a vertente norte em busca de uma bela cascata que tínhamos divisado dias antes, desde o Covão da Ametade. Um pouco fatigados (mentalmente) da neve horrível que encontrámos para aceder ao novo sector, ainda recuperámos alguma energia para “conquistar” aquela via de gelo com 40 metros, que acabou por formar um par com a “Cascata Mariolas”, escalada por nós em Janeiro de 2017.

Para nós, este fora o sétimo dia de actividade do presente Inverno, portanto, a nova cascata mereceu o nome “Cascata do sétimo dia”.


Gelo com fartura na nova e surpreendente "Cascata do sétimo dia".


No dia seguinte, ainda um pouco entorpecidos pela intensa actividade, decidimos descansar. O “descanso” converteu-se numa nova via de escalada mista inaugurada no sector da “Curva do Cântaro”, na parede que forma o contraforte esquerdo do “Corredor da Ponte”. “É uma via curta e de aspecto ameno.” - afirmei, confiante na observação desde a base. Pouco depois, o bufar constante e o roçar agressivo do metal dos crampons contra o granito, convenceram-nos que aquilo seria tudo menos uma escalada “amena”.

A “Última chouriça” converteu-se numa via incómoda e dura, com uma difícil chaminé e um penoso diedro tombado que teimava em tentar empurrar-me para o precipício, apesar de todo o esforço de contorcionismo para tentar progredir.

O início da temporada ofereceu-nos belos dias de acção e aventura invernal. Resta saber se este é mesmo um “início de temporada”, ou se irá terminar simplesmente como… “A temporada!”

Para já, abateu-se a tempestade dramática do Covid e de um novo confinamento. Essa tempestade coincide com a chegada de vários dias de mau tempo e subida das temperaturas. Tempo de permanecer em casa.

Olhamos para as nuvens com olhos de esperança, alimentando o desejo de que os dias de neve e frio retornem brevemente, empurrados pelos ventos de norte…


Paulo Roxo


Os topos







sábado, janeiro 23, 2021

Ice report - Acto I

 ICE REPORT - SERRA DA ESTRELA

(A primeira report da temporada... desejando não ser a última!)


ACTO I


O "cabeçote" do Cântaro Magro - face leste. A Lua espreita indecisa... Vou? Fico?



O último mês (pré-confinamento), foi profícuo em actividades invernais.

As excelentes condições do gelo, que permaneceram durante vários dias seguidos, surgiram como uma janela de oportunidade para a realização de uma série de actividades "glaciares”, entre elas, algumas aberturas (ver "Acto II").

As boas condições gerais reinantes permitiram-nos (a mim e à Daniela Teixeira) escalar uma bela série de cascatas de gelo. Algo que nunca aconteceu na passada temporada, durante a qual, os piolets e crampons nem chegaram a ver a luz do dia.

A fome era muita e, com os ventos gelados do Inverno a empurrar as frias fragâncias do gelo acabadinho de cozinhar, lá nos metemos serra acima, em busca das primeiras pioladas da temporada.


Últimos metros da "Cavalo de gelo".


Ao nível das cascatas, escalámos clássicas habituais como a “Cascata das Couves”, “Diedro de Cristal”, “Dama oculta”, “Cavalo de gelo” e a “Cascata da Curva do Cântaro”. Mais tarde, também nos passou pelas mãos - melhor dizendo, pelos piolets - vias de formação mais rara como a “D.M.M.” (sector “Estrela nocturna”), a “Adrenalina” (sector “Curva do Cântaro”) e as de rara formação, “Burrinho de gelo” e “Via do Furgalho” (sector do “Inferno”).


A bela e rara "Burrinho de gelo".


Com o decorrer dos dias, já no final desta primeira fornada de gelo (esperemos que não seja a última deste Inverno), realizámos dois bonitos encadeamentos de escalada em gelo. Um deles começou com a ascensão da cascata “Jean”, no sector “Lafaille”, continuou por uma outra cascata mais pequena e mais fácil que nomeámos “Ligação”, terminando com a ascensão do “Corredor do Cavalo” que, nesta temporada, apresentou uma bela cascata com cerca de 20 metros, logo na sua entrada. Um raro presente que aceitámos de bom grado.




O segundo encadeamento de vias geladas concluiu com o alinhamento da “Tragédia feliz”, com a “Parece, mas não é!”, terminando ainda com uma bonita variante de escalada mista, com cerca de 20 metros, que apelidámos (recorrendo ao nosso melhor humor brejeiro e roubando a autoria a um amigo) de “Tufo deste há pouco!”


A Daniela na "Tragédia feliz".


A terminar a espirítuosa variante "Tufo deste há pouco!"


A Daniela a meio da bonita cascata "Parece, mas não é!"




Também tivemos a oportunidade de repetir algumas vias mistas na emblemática face oeste do Cântaro Magro, como os primeiros lances da exigente “Sem hesitar”. No entanto, o ex-libris da semana foi sem dúvida a escalada integral da espectacular “Pepi te quiero”, uma clássica de 1998, incontornável, que se apresentou mais difícil que noutras temporadas.


A iniciar o último lance da espectacular via mista "Pepi te quiero".


"Pepi te quiero". Primeiro lance.


"Pepi te quiero"


Este início de Inverno permitiu-nos também realizar algumas primeiras ascensões.

Logo nos primeiros arrufos, no dia 6 de Dezembro, aproveitando um corte prematuro das estradas, dirigimo-nos a pé (pela estrada) até ao sector do “Túnel”, para acrescentar uma nova linha que nos saiu bem mais dura que o desejado, pois a intenção era iniciar a temporada com um prosaico: “Vamos só ali, escalar uma mista fácil!” O “fácil”, rapidamente se tornou “muito difícil” e o resultado foi a “Pica-ponto” (135m, M6+).


"Uff!, Arghh!, Isto afinal é duro!" Na "Pica-ponto"




O Inverno voltou a retirar-se e ainda de espírito inquieto pelo receio de uma repetição de uma temporada miserável, eis que se avizinhou uma esperançosa vaga de frio. Esta acabou por provar ser longa o suficiente para justificar a “report” que agora partilho...


Paulo Roxo


To be continued no Acto II...

...com novas vias e croquis!